Revista Pós-Venda
EventosMais futuro para os turbos do que para o diesel (com fotos)

Mais futuro para os turbos do que para o diesel (com fotos)

por

Realizou-se no Centro de Congressos do Estoril, perante mais de 400 profissionais, a 1ª Convenção Diesel Turbo, organizada e promovida pela Bombóleo, na qual a revista PÓS-VENDA foi Media Partner.

Esta Convenção contou com a presença de um excelente naipe de oradores, alguns deles em representação de algumas das principais empresas fornecedoras a nível mundial de turbos e de sistemas diesel.

Nicolas Vilnet, dos turbos Garret, vez uma exposição sobre o futuro dos turbos, ficando evidente o enorme desenvolvimento tecnológico destes componentes e a sua adaptação à eletrificação do automóvel, nomeadamente aos veículos híbridos.

Os principais desenvolvimentos nos turbos caminham no sentido de ajudar os veículos híbridos a diminuir as emissões poluentes, melhorando as prestações dos automóveis, sobretudo nas baixas rotações.

O responsável da Garret apresentou uma série de dados e estudos que confirmam o enorme potencial que existe para os turbos em termos de mercado (a nível mundial), fruto do enorme crescimento que se vai registar nas diversas variantes de veículos híbridos.

Para Delphi, muito presente nos sistemas diesel, David Iglesias, confirma que ainda existe um horizonte temporal muito favorável a este tipo de combustível nos automóveis do futuro. O responsável da Delphi argumenta que o CO2 aumentou 2,6% em 2017, em relação ao ano anterior, principalmente devido ao aumento das matriculações de veículos a gasolina (que são mais poluentes que os diesel).

Iglesias comenta ainda que o crescimento dos elétricos continua a ser residual até pelos menos 2030 e que em 2040 a maioria dos carros ainda será de comsbustão, embora reconheça que os diesel estão nesta fase a perder protagonismo.

Walid ben Abdessamiaa, da BorgWarner, diz que os veículos de combustão interna continuarão a crescer até 2028, representando nesta altura 91% do mercado, sendo que grande parte deles serão híbridos.

Marco Capasso, da Bosch, fez uma abordagem muito exaustiva ao que é o mercado diesel nas diferentes componentes do mercado, desde o OE até ao IAM. Revelou que mesmo estando em queda nos ligeiros, o diesel ainda possui uma enorme margem de progressão em muitas outras utilizações, como por exemplo, nos comerciais e nos veículos pesados.

O responsável da Bosch deixou claro que para a marca que representa o diesel continua a ser estratégico e que a Bosch continuará a investir muito neste setor, a diferentes níveis.

Outros oradores fizeram diversas exposições interessantes nesta Convenção, onde ficou evidente que é irreversível a eletrificação do automóvel, que os veículos 100% são o futuro mas são também uma realidade distante (em termos de volume no mercado), que os turbos têm um enorme futuro pela frente, com todas as vantagens que isso representa para as oficinas de reparação e, por fim, que o diesel está longe de estar “morto” e que tem muito futuro nas próximas décadas, embora a sua importância será mais reduzida no futuro.

Uma derradeira palavra para Paulo Marques, gerente da Bombóleo, que foi o grande dinamizador desta Convenção, que assim ajudou a desmistificar que os sistemas diesel e os turbos têm ainda muito para oferecer ao mercado automóvel em geral e ao aftermarket em particular.

Nº de visitas: 224 ~ Visto Hoje: 1

Deixe uma resposta

Contactos

Rua do Sol, 8-A, Vila Fria, 2740-166 Porto Salvo

+351 21 806 89 49

geral@posvenda.pt

siga-nos

Voltar para Topo
Shares
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com