Ver todas

Back

Jomirpeças: Um longo percurso no aftermarket

25 Agosto, 2021
1248 Visualizações

A Jomirpeças atravessa uma fase bonita da sua história, ao comemorar 50 anos de atividade. Sempre com uma postura discreta no mercado, a empresa tem fortes projetos para o futuro.

TEXTO PAULO HOMEM

Uma marca de 50 anos no exigente e competitivo mercado do aftermarket não é um marco fácil de atingir. Para a Jomirpeças, a comemoração desta data, representa essencialmente “a resiliência da sua equipa, combinada com a confiança adquirida no mercado, bem como o Know-how que lhe é reconhecido pelos seus parceiros de negócio”, afirma Hélder Alão, diretor da Jomirpeças.

Ao longo da sua história a Jomirpeças passou por várias fases, umas melhores que outras, como é habitual, mas o mais importante é realçar alguns marcos relevantes. Inicialmente o reconhecimento da estrutura e da forma de atuar por parte do mercado, onde por vezes os clientes são também concorrentes, originou o crescimento sustentado da atividade, seja na gama, seja na quantidade de stock, o que originou a mudança de instalações do centro da cidade de Aveiro para instalações com maior capacidade. Com o surgimento da unidade fabril da RST, a Jomirpeças mudou-se em definitivo para a Zona Industrial de Aveiro, facto que contribui para uma melhoria em termos de logística no sentido do melhor servir o cliente.

Devido ao crescimento, seja do número de referências, seja das gamas comercializadas e dentro da política de crescimento sustentada do Grupo de empresas de que faz parte, em 2016 muda novamente de instalações, sempre dentro da Zona Industrial de Aveiro, para uma área com o triplo da área do armazém anterior, levando Hélder Alão a comentar: “estas novas instalações permitem-nos encarar os anos seguintes com o otimismo e a vontade de quem quer continuar neste mercado por pelo menos mais 50 anos”.

A Jomirpeças – Comércio e Industria Auto, SA, é uma empresa de base familiar seja na sua génese, que desde a sua fundação encara em primeiro lugar os seus colaboradores, já que as pessoas são o ADN das empresas, mas também os parceiros de negócio, privilegiando as relações a longo prazo, “assentando neste facto a razão pelo qual estamos no mercado para servir os nossos clientes ao longo de 50 anos”, conforme nos explicam os responsáveis da empresa, como sendo este o segredo da longevidade da empresa, reforçando que “atualmente podemos falar numa segunda geração que tem por missão a continuidade do trabalho que tem sido feito com responsabilidade, integridade, existindo o princípio basilar em que os valores não podem ser trocados por dinheiro até porque a ética tem também, e só por si, um valor económico a longo prazo”. Os princípios atrás enumerados estão patentes na missão da empresa que nos foi dada a conhecer como: “a nossa missão consiste em fornecer com rapidez peças e acessórios auto de qualidade, garantindo a satisfação do cliente e a sustentabilidade dos negócios”.

FOCO NO RETALHO
A empresa pretende continuar a manter a sua forma de trabalho que tem mantido ao
longo destes anos em que sempre respeitou a cadeia de distribuição, acreditando que
existe espaço para os vários intervenientes neste processo, desde o fabricante ao
distribuidor (categoria onde se insere), passando pelos retalhistas (o seu cliente
tipo) e pelas as oficinas/mecânicos até ao cliente final.

O seu foco de negócio são os retalhistas espalhados geograficamente por todo o
país, incluindo as ilhas, apenas atendendo presencialmente clientes no seu balcão em
Aveiro, por razões históricas e até porque muitos clientes se foram mantendo desde
os tempos iniciais da empresa. Contudo, a Jomirpeças “faz sempre questão que
exista um diferenciamento natural entre os clientes que ocupam os distintos patamares
da cadeia de distribuição”, refere Hélder Alão.

Neste momento, como infraestrutura, a empresa conta com um armazém em Aveiro de onde faz a maior parte das suas expedições para todos os clientes, aproveitando as facilidades atuais das transportadoras, facto que originou em 2011 o encerramento da delegação que a Jomirpeças tinha na Maia. Como centros logísticos por vezes a Jomirpeças também recorre às instalações das suas empresas “irmãs” (que pertencem aos Grupo Empresarial do qual a Jomirpeças faz parte) nas zonas industriais de Alverca e da Maia.

A equipa de vendas da Jomirpeças é constituída por representantes comerciais que percorrem o país de lés a lés, que segundo o seu Responsável, “garantem o acompanhamento personalizado que é amplamente reconhecido pelos nossos clientes ao longo destes anos”. Este acompanhamento é feito de forma a que na maioria dos clientes ativos, possa existir uma visita presencial, pelo menos uma vez por mês, “onde são levantadas as necessidades dos clientes, bem como as situações que poderão correr menos bem, no sentido da empresa seguir os seus princípios de ir de encontro, de forma equilibrada, às expectativas dos clientes” conforme nos é assegurado.

MARCAS
Em termos de marcas / representações, a Jomirpeças tenta encontrar e disponibilizar aos seus clientes as marcas que segundo o seu know-how, adquirido ao longo dos anos neste mercado, possam ser aquelas que considera como sendo a “escolha acertada”, isto é, “poderão não ser as mais baratas e seguramente não serão as mais caras, nem as melhores ou as piores mas sim as que demonstram melhor custo/benefício, por outras palavras a melhor relação qualidade/preço”, explica Hélder Alão. Sendo política da casa, a Jomirpeças tenta também fugir um pouco às marcas que caracterizam a distribuição através dos diversos Grupos presentes no mercado, por forma a poder manter os seus princípios de respeito pelos vários patamares da cadeia de distribuição.

Existem várias marcas que fazem parte do portefólio da Jomirpeças, das quais importa realçar a AJBA, AUTOPAL, CIFAM, CLEANFILTERS, DEPO, DOGA, ENG, FAI, GMB, GRAF, GYS, HEYNER, HKT, HUTCHINSON, JETESETECAR, MOTORAD, NKK, SBS, SEGER, SIA, SIM, SUC, TURBOMOTOR, WEGA e WIllYS. Há mais de 30 anos que a Jomirpeças importa marcas nipónicas diretamente do Japão, o que lhe conferiu nesta área específica um importante conhecimento sobre este segmento de mercado, que é bastante específico e para o qual os softwares de identificação de peças nem sempre são eficazes. “Temos também, em termos de iluminação, um stock bastante variado e permanente que nos permite responder a grande parte das solicitações dos nossos clientes”, assume o responsável da Jomirpeças, dizendo que ainda que “nos últimos anos e acompanhando a tendência do mercado temos alargado o nosso stock em termos de referências de material de desgaste, como os kit de distribuição com bomba de água, bombas de água, discos e pastilhas, turbos, filtros, entre outros”.

No sentido de complementar a gama e poder fornecer aos seus clientes uma cada vez maior variedade de oferta, através de parcerias, também se pode encontrar da Jomirpeças ferramentas e equipamentos oficinais. Não sendo estas as áreas de negócio estratégicas de crescimento para a empresa, funcionam como complemento e seguem a política de servir o melhor possível os clientes que se pretende que caminhem lado a lado com o fornecedor.

DIGITAL
Embora a Jomirpeças já tivesse website que permitia, sempre em área reservada aos seus clientes, a consulta e encomenda de produtos, em meados de 2019 foi apresentado o novo website com o TECDOC integrado, que ficou desde logo disponível para os clientes registados. “Este tipo de plataforma B2B, permite uma poupança de tempo aos clientes assegurando também o esclarecimento de dúvidas acerca da gama comercializada. Foi uma plataforma muito bem recebida, na medida em que existiu um acréscimo de encomendas online”, afirma Hélder Alão, explicando também que “é uma plataforma que está mais adaptada à nova geração de profissionais, que valoriza muito mais o digital que está, de facto, cada vez mais presente no aftermarket”. Não obstante, a área do atendimento telefónico continua a ter importância vital como o principal funil de entrada de encomendas e a forma de manter a proximidade com os clientes.

No ano de 2020, em que a empresa comemora meio século de existência, estão planeadas algumas surpresas para os clientes, como a entrada de novas marcas no portefólio e novidades que têm em vista o contínuo estreitamento de relações comerciais. Para terminar, Hélder Alão reforça que é objetivo da empresa dar continuidade à política que tem sido a linha orientadora até hoje: “em que o importante são as pessoas e é com elas que pretendemos continuar a fazer o nosso percurso”.

50 anos Jomirpeças
No dia 7 de Janeiro de 1971 nasce a Jomirpeças pela mão de Nelson Serra e José Miranda. Numa altura em que existia falta de peças e acessórios para o pós-venda automóvel, devido a todas as dificuldades e limitações nas importações, estes dois companheiros de jornada colocam mãos à obra e começam a construir a história de uma empresa que perfaz agora 50 anos. Sediada em Aveiro até aos dias de hoje, a Jomirpeças iniciou a operação de fazer a distribuição de peças para todo o país. Dentro da perspetiva empreendedora dos seus fundadores, em 1977 é criada a RST, S.A., que durante muitos anos produziu os carregadores de baterias e aparelhos de soldar da marca RST, que foram distribuídos pela Jomirpeças e que atualmente se dedica exclusivamente à produção da marca de equipamentos hoteleiros para uso profissional FIAMMA, em particular de máquinas de café, atividade que permite à empresa de Aveiro exportar, em bases regulares, para mais de 70 países. Aliás, esta atividade ligada aos equipamentos hoteleiros, inicia-se mesmo em 1979, com a empresa Miranda & Serra, S.A., entidade que se dedica à distribuidora de todo o tipo de equipamentos hoteleiros, tendo-se vindo a tornar um dos principais players do mercado nacional, encabeçando assim o Grupo de Empresas do qual a Jomirpeças é hoje parte integrante. Atualmente o fundador, Nelson Serra, mantém-se como Presidente do Conselho de Administração tanto do Grupo como da Jomirpeças.

Jomirpeças
Aveiro
Hélder Alão
234 303 010 / 234 303 013
geral@jomirpecas.pt
www.jomirpecas.pt

Artigo publicado na Revista Pós-Venda n.º 64 de janeiro de 2021. Consulte aqui a edição.

PALAVRAS-CHAVE