Ver todas

Back

ARAN preocupada com a relação desigual oficinas / seguradoras

22 Junho, 2022
395 Visualizações

O tema quente da relação entre as oficias de colisão e as seguradoras já não é de agora, mas conheceu novos desenvolvimentos, quando algumas associações espanholas enviaram para o Parlamento Europeu uma denúncia sobre o assunto. A ARAN quis aprofundar este tema com as associações congéneres de Espanha.

A ARAN – Associação Nacional do Ramo Automóvel, atendendo ao trabalho que vem sendo desenvolvido no presente ano a propósito das relações entre as oficinas de reparação de automóveis e as seguradoras, esteve presente, no passado dia 09 de junho em Madrid, onde reuniu com as suas congéneres espanholas [CETRAA, CONEPA, FAGENAUTO E GANVAM].

Pela ARAN participaram Rodrigo Ferreira da Silva e Neli Valkanova, pela CETRAA, Luis Ursúa, pela CONEPA, Rocío Martín, pela FAGENAUTO, José Daniel González, José Antonio Guerra, Alfredo Jimenez e César Sanz e pela GANVAM, Jaime Barea.

Esta reunião ocorreu na sequência das diversas iniciativas que a ARAN vem desenvolvendo no sentido de alertar para as consequências da desigualdade económica e de “forças” existente entre as oficinas e as seguradoras, a qual é notória e tem sido exposta e identificada à Autoridade da Concorrência, no sentido de ser analisado eventual abuso de posição dominante, dependência económica, entre outras questões de âmbito concorrencial. Esta questão foi também recentemente exposta e remetido um dossier à Senhora Secretária de Estado do Comércio e Serviços.

A ARAN participou nesta reunião com o propósito de aprofundar conhecimentos em relação à denúncia apresentada pelas Associações Espanholas, em 01 de março de 2022, contra o Estado Espanhol no Parlamento Europeu, e que está relacionada precisamente com as diversas questões inerentes às relações entre as oficinas e as seguradoras.

A ARAN teve a oportunidade de manifestar o seu apoio e solidariedade, os quais agora renova, para com esta iniciativa das suas congéneres espanholas, especialmente por considerar que o problema se replica em Portugal e carece de soluções urgentes.

Nesse sentido, a ARAN tal como vem historicamente fazendo, vai estudar a possibilidade de intervenção idêntica.

PALAVRAS-CHAVE