Ver todas

Back

Philips revela estudo “melhor iluminação automóvel, menos acidentes”

1 Dezembro, 2023
308 Visualizações

Numa altura em que tanto se fala de segurança rodoviária, a Fesvial e a Lumiledes (Philips) apresentaram um estudo avaliando os Acidentes com Visibilidade Limitada devido à Iluminação Inadequada (AVLID). Conheça as conclusões.

“A iluminação dos veículos, ver e ser visto, é essencial para evitar acidentes de viação. Este é o objetivo deste novo estudo realizado pela FESVIAL e pela LUMILEDS: continuar a contribuir para a informação sobre a importância da iluminação dos veículos e da sua manutenção e conservação para nos ajudar, enquanto sociedade, a minimizar os acidentes de viação e as suas consequências”, comentou Ana Belén Martin, Marketing Manager da LUMILEDS (PHILIPS), na abertura do evento.

Este objetivo foi também apoiado por José Ignacio Lijarcio, Diretor Técnico da FESVIAL, Guillermo Magaz, Diretor Geral da AECA-ITV, e pelos representantes das duas organizações nacionais de oficinas, Ramón Casas, membro da Comissão de Veículos da CETRAA, e Ana Ávila, Diretora Corporativa da CONEPA, na mesa-redonda que acompanhou a apresentação.

O objetivo do estudo, explicou José Ignacio Lijarcio, Diretor Técnico da FESVIAL, é compreender melhor os acidentes de viação causados por iluminação deficiente e as suas consequências. Para tal, os autores do estudo analisaram os acidentes rodoviários dos últimos 5 anos (2017-2021) registados na DGT em que se verificou uma iluminação incorreta tanto do próprio veículo como das circunstâncias externas (iluminação da estrada, condições meteorológicas, encandeamento de outros veículos).

Também estimámos o número de acidentes que podem ocorrer nos próximos anos devido a estas condições de iluminação incorretas e analisámos as deficiências detetadas nas inspeções técnicas dos veículos devido à má iluminação. “Trabalhámos”, comentou Lijarcio, “com diferentes categorias de acidentes com diferentes formas de visibilidade limitada devido a iluminação deficiente, que agrupámos sob a designação de acidentes AVLID”.

O ónus dos pedidos de AVLID

Um em cada três acidentes de viação é causado por visibilidade limitada ou iluminação deficiente (36,6%). Destacam-se os que ocorrem em condições de má iluminação.

O número de acidentes com iluminação artificial da via (sem luz natural) ascendeu a 75.537, 16% do total de acidentes no período analisado; os ocorridos sem iluminação natural ou artificial da via (58.714, 12,5%); e os relacionados com condições climatéricas adversas (48.817, 10,2%).

Ao longo do período analisado, a percentagem de acidentes mortais mantém-se estável; no entanto, ao longo do tempo, os acidentes mortais aumentam em dois casos muito específicos: a não utilização da iluminação necessária (que passa de 1,7% em 2017 para 6,4% em 2021) ou a condução sem luzes ou encandeamento (que passa de 1,9% para 3,2%).

Os autores do estudo salientam que é de esperar que a recente autorização legal para atualizar a frota de veículos de halogéneo padrão para a tecnologia LED tenha um impacto positivo na redução dos acidentes e da sua gravidade.

Quanto pior for a visibilidade, maior será a gravidade do acidente

Ao analisar a relação entre a iluminação deficiente e o número de acidentes, o estudo conclui que os acidentes mais graves, com mais vítimas mortais ou feridos graves, são aqueles em que não é utilizada a iluminação obrigatória ou em que o condutor conduz sem luzes ou é encandeado. Quando estas circunstâncias ocorrem, a taxa de feridos é mais do dobro da registada nos restantes acidentes analisados. A utilização de iluminação não conforme conduz a uma taxa de ferimentos muito elevada em caso de acidente. Por isso, é importante evitar, por exemplo, os produtos que geram encandeamento, porque, em caso de acidente, as consequências são muito mais graves. No entanto, a análise dos acidentes devidos à má iluminação no período estudado mostra que as condições climatéricas adversas resultam em menos mortes, segundo os autores do estudo, uma vez que o nível de alerta dos condutores aumenta nesses casos.

Mais acidentes e mais feridos nas estradas urbanas

A análise comparativa dos acidentes com visibilidade limitada devido a iluminação deficiente nas estradas urbanas e interurbanas permite concluir que o número de acidentes nas estradas urbanas é significativamente superior ao das estradas interurbanas em quase todas as categorias (63,7% contra 36,3%). Especificamente, nas estradas urbanas, devido à iluminação artificial (82,4%), às condições climatéricas adversas (82,4%) e às infrações à iluminação (73,3%). No entanto, enquanto a taxa de sinistralidade por infração à iluminação nas vias urbanas é elevada (73,3%), com uma frequência de ocorrência muito baixa (0,2%) e uma taxa de mortalidade elevada (2,6%), a taxa de sinistralidade por iluminação artificial é igualmente elevada (82,4%), com uma frequência de ocorrência elevada (16%), mas uma taxa de mortalidade baixa (1,3%).

Nas estradas interurbanas, a condução sem iluminação é a maior causa de acidentes. No entanto, os acidentes com maior número de vítimas mortais ocorrem em estradas convencionais de faixa de rodagem única, onde a visibilidade é limitada devido ao encandeamento (54,8%), à utilização de iluminação não regulamentada (55,6%) ou a uma infração de iluminação devido à condução sem luzes ou encandeamento (54,8%).

Da análise conjunta da via e do tipo de veículo nos acidentes com visibilidade limitada devido a iluminação deficiente, podem também ser retiradas conclusões relevantes. É notório que as trotinetas e os velocípedes são os veículos mais envolvidos em acidentes em vias urbanas por falta de iluminação (37,2%) ou por falta de iluminação (19,3%). Os automóveis, por outro lado, estão muito envolvidos em acidentes com visibilidade reduzida (83,6%) e muito pouco em acidentes devidos a condições climatéricas adversas (64%). É o contrário do que acontece com os ciclomotores, em que as condições atmosféricas adversas estão envolvidas em 61% dos acidentes e a visibilidade reduzida em 18,1%.

A gravidade dos acidentes nas estradas urbanas com iluminação deficiente está principalmente relacionada com a visibilidade reduzida, a condução sem luzes ou o encandeamento. Os acidentes mais graves devem-se à visibilidade reduzida (1,6% das vítimas mortais e 11,1% dos feridos graves) e a infrações à iluminação (1,14% das vítimas mortais e 9,4% dos feridos graves). Por outro lado, nas estradas urbanas, os acidentes em condições climatéricas adversas, provavelmente devido ao maior nível de alerta do condutor, registam os níveis mais baixos de feridos (0,35% de vítimas mortais e 2,5% de feridos graves).

Os peões são os mais afetados por este tipo de acidente

Os peões, os condutores e os passageiros sofrem as consequências dos acidentes provocados por uma iluminação deficiente, mas sobretudo os peões, os condutores e os passageiros. A taxa de mortalidade é muito mais elevada para os peões: quatro em cada dez vítimas mortais em condições de visibilidade reduzida são peões.

Além disso, uma em cada três mortes ocorreu em condições de iluminação artificial e uma em cada quatro em condições climatéricas adversas.

Os homens mais jovens são os condutores mais envolvidos na maioria dos acidentes com visibilidade limitada devido a iluminação deficiente. A percentagem de homens ultrapassa os 75%, atingindo 76,9% nos acidentes que envolvem uma infração de iluminação, ou seja, condução sem luzes ou encandeamento. Por idade, o segmento de condutores mais envolvidos em acidentes com AVLID tem menos de 25 anos, em 58,2% dos casos.

Os ciclomotores e os motociclos são os veículos mais envolvidos em acidentes com visibilidade limitada devido a iluminação deficiente. Isto é especialmente verdade para aqueles com iluminação artificial (27,2%) e condições climatéricas adversas (37%). De referir ainda que a idade média dos veículos envolvidos neste tipo de acidente AVLID é superior à dos veículos envolvidos nos restantes acidentes (10,45 anos). De igual modo, são precisamente os veículos mais antigos que mais se envolvem em acidentes por não utilização de iluminação regulamentar, sendo a idade média nestes casos de 12,57 anos, circunstância que se poderá agravar nos próximos anos devido ao progressivo envelhecimento da frota.

Evitar 6.000 mortes na estrada

Se não fizermos nada, mais de 6.000 pessoas morrerão nesta década nas estradas espanholas devido a acidentes relacionados com a iluminação. Esta é uma das conclusões mais relevantes deste estudo realizado pela FESVIAL e pela LUMILEDS (PHILIPS).

A percentagem de vítimas mortais de AVLID manteve-se entre 40 e 44% do total de vítimas mortais de acidentes de viação no período em estudo, com uma percentagem média de 43,1%. Em 2023, para uma estimativa de 1.584 vítimas mortais de acidentes de viação, estima-se que pelo menos 683 casos serão acidentes resultantes de visibilidade limitada devido a iluminação deficiente. Em 2031, para 1.487 vítimas mortais, são esperados 641 casos de AVLID. Isto significa que a percentagem de AVLID se manterá estável nos próximos anos, em cerca de 36,6%.

Outro aspeto analisado pelo estudo são os dados da inspeção técnica. Um em cada quatro veículos não passa na inspeção devido a problemas de iluminação. De facto, a categoria “iluminação e sinalização” é aquela em que são detetadas mais deficiências nas inspeções, tanto ligeiras como graves. As deficiências menores mantiveram-se mais ou menos estáveis nos últimos cinco anos, enquanto as deficiências graves estão a aumentar.

Recomendações e compromissos

Neste contexto, com estes dados sobre o peso e a gravidade dos acidentes AVLID, os autores do estudo propõem uma série de recomendações gerais, um decálogo, para conduzir com o sistema de iluminação do veículo em bom estado e garantir a segurança rodoviária: efetuar inspeções visuais regulares; substituir as lâmpadas aos pares; substituir as lâmpadas por outras mais potentes; manter as luzes acesas durante o dia, se não existir um sistema de luzes diurnas; verificar o estado da bateria; restaurar o vidro dos faróis; regular os faróis; utilizar lâmpadas homologadas; manter as lâmpadas em bom estado; e consultar sempre um mecânico profissional.

Para além das recomendações, lançam também uma série de compromissos para envolver diferentes atores e grupos que podem contribuir para a prevenção do AVLID: informar e sensibilizar as escolas de condução, os candidatos à carta de condução; promover a utilização de elementos refletores e de elementos de iluminação nos modos de transporte mais vulneráveis; reforçar as campanhas da Direção-Geral de Tráfico (DGT) sobre a iluminação dos veículos; promover serviços de análise dos sistemas de iluminação dos veículos nas oficinas; fornecer informações e recomendações nas ITV; e. reforçar o papel dos profissionais de oficina como prescritores de produtos e recomendações de componentes de iluminação.

DOWNLOAD DO ESTUDO

 

PALAVRAS-CHAVE