Ver todas

Back

Solutrans 2017, focada nos desafios da indústria

5 Setembro, 2017
229 Visualizações

Serão apresentados, na edição de 2017 da Solutrans, seis temas que revelam as principais tendências do mercado e desafios da indústria: a fábrica do futuro, novas motorizações e energia, veículos conectados, entregas em centros urbanos, formação e cibersegurança.

A Solutrans 2017 – que tem lugar de 21 a 25 de novembro de 2017 em Lyon, França – irá oferecer oportunidades de partilha de ideias e iniciativas que impulsionam o progresso no setor do transporte rodoviário e urbano.

Indústria 4.0 – A fábrica do futuro

O termo Indústria 4.0 refere-se à quarta revolução industrial, após as de mecanização, industrialização e automação. Estabelece as bases para a “fábrica inteligente” e novos métodos de organização de recursos de produção.

Os fabricantes de veículos pesados ​​de mercadorias e veículos comerciais, trabalhadores corporais industriais e OEM farão um uso crescente da realidade virtual, da realidade aumentada, da impressão em 3D, etc., para melhorar a produtividade, oferecer veículos adequados aos requisitos e incluir sistematicamente os seus clientes na cadeia de decisão.

Além disso, editores e integradores de software especializados estão e interligar dados, análises preditivas e inteligência artificial. Os expositores da Solutrans 2017 oferecerão aos transportadores, fabricantes e clientes, novas formas de se relacionarem num campo particularmente complexo.

Veículos conectados

O veículo conectado é, atualmente, uma realidade. Os fabricantes, muitos OEMs e profissionais de desenvolvimento de software estão a acelerar a conversão de veículos para a era digital. Isto significa que os veículos pesados ​​de mercadorias tornam-se computadores poderosos, ao capitalizarem o rápido aprimoramento das redes de comunicação (Wi-Fi / Bluetooth, 4G e 5G, baixa largura de banda para dispositivos conectados, etc.), bancos de dados geográficos conectados a sistemas de radar de análise rodoviária e o geoposicionamento cada vez mais preciso do GNSS.

Os dados são enviados do veículo para a empresa ou a oficina. Um empresário pode monitorizar cada quilómetro feito pelos seus veículos e o destinatário da entrega tem acesso aos sistemas de informação para descobrir a que horas a sua encomenda irá chegar. Amanhã, os veículos também se tornarão autónomos. Os fabricantes têm realizado testes com resultados promissores. No entanto, continua a ser necessário chegar a coabitação harmoniosa de todo o tráfego rodoviário. Os fabricantes presentes na Solutrans apresentarão os últimos avanços nestas áreas.

Novas motorizações e energia

Enquanto o mercado automóvel de ligeiros está gradualmente a evitar os motores diesel, os fabricantes de veículos pesados, cujos veículos ainda funcionam predominantemente com diesel, fizeram ajustes substanciais para atingir o padrão Euro 6 e oferecem uma solução efetiva para reduzir os níveis de poluição.

“Nós já dividimos as nossas emissões de partículas em motores diesel em dez ou doze”, afirmou Eric Poyeton, diretor-gerente da PFA (plataforma do setor automóvel) que reúne as empresas industriais do setor. Os fabricantes também oferecem soluções alternativas para o diesel, como o GNV, o bioetanol e, naturalmente, a eletricidade. Essas soluções e outras emergentes como o hidrogénio estarão representadas na Solutrans.

Entregas em centros urbanos

A entrega de mercadorias no espaço de tempo mais curto possível é algo que os operadores dominam plenamente hoje em dia, ao combinar transporte de longa distância com um serviço de atendimento ao cliente final.

Além das lojas que precisam de receber mercadorias, o aumento das vendas à distância tem alimentado o desenvolvimento de entregas diretas ao consumidor. O objetivo é reduzir os prazos de entrega e os custos induzidos pelo uso dos veículos de transporte.

Isto requer o uso de veículos do tamanho certo que sejam ecológicos, de baixo ruído (para entregas noturnas) e a promoção de novas formas de entrega (lockers, drones, etc.).
Para ter sucesso, as empresas de transporte terão de contar com o apoio dos fabricantes, profissionais das indústrias e OEMs, que irão apresentar as suas últimas inovações na Solutrans.

Formação

Num estado de fluxo constante, o setor de veículos pesados e comerciais oferece uma gama de profissões das quais muitas pessoas continuam inconscientes: motoristas, mecânicos, especialistas em logística, etc. Atualmente e mais do que nunca, os jovens devem ser orientados para empregos de transporte em veículos pesados. Devem ser consciencializados da existência destes trabalhos, bem como aqueles que irão surgir no futuro e que envolvem robótica e realidade virtual.

A este respeito, será criado na Solutrans um espaço dedicado à formação e educação, por forma a promover empregos neste setor para jovens e outros profissionais.

Cibersegurança

O transporte não é estranho ao desenvolvimento da digitalização e dos bancos de dados. Como em qualquer outro setor, os dados devem ser protegidos de modo a evitar qualquer risco de invasão.

Muitas vezes, as empresas julgam mal os efeitos destes novos métodos de trabalho sobre os funcionários. Os riscos de intrusão através de um reboque ou de um pneu conectado são genuínos e a segurança das redes e dos sistemas de informação é um desafio paralelo à revolução digital, que o mundo das TI está finalmente a abordar hoje em dia.

As PME são muitas vezes as primeiras vítimas do cibercrime. Isto pode ocorrer, por exemplo, na forma de software de criptografia instalado remotamente, e que bloqueia dados que só serão devolvidos à empresa em troca de um resgate. Estes não são os únicos riscos. Existem também ameaças tecnológicas e cibernéticas relacionadas ao uso não considerado da transferência de dados em redes de baixa segurança. Esse risco é exacerbado pelo uso de dispositivos móveis. Como resultado, os empresários devem ser avisados ​​e apoiados por parceiros competentes em termos de oportunidades económicas e transferência de risco. Estarão na Solutrans vários especialistas neste setor com as últimas novidades e avanços na proteção de dados e na otimização do intercâmbio de informações.

Mais informações em www.solutrans.eu

PALAVRAS-CHAVE