Ver todas

Back

Stefan Bachmann, Meyle: “Um travão que chia não aponta logo para algum defeito nas pastilhas ou nos discos”

17 Outubro, 2019
1308 Visualizações

Stefan Bachmann, líder de equipa para a área de produtos Travões e transmissão da Meyle, explica o que realmente importa no que respeita aos travões.

Stefan Bachmann é líder da equipa das áreas de produtos Travões, transmissão e NVH da Meyle. O técnico de 38 anos, certificado pelo estado alemão, trabalha há quase 10 anos para o fabricante de peças de substituição de Hamburgo. Primeiro, como gestor de produto e, desde há cinco anos, em posição de chefia. Juntamente com a sua equipa, ocupa-se da elaboração do portfólio, do desenvolvimento e da especificação, assim como da produção, nas áreas de produto Travões e transmissão.

O setor automóvel está em constante movimento. Que tendências e desenvolvimentos a Meyle observa?

Temos constatado uma tendência evidente no sentido de uma perceção mais sensível dos ruídos. Especialmente do ponto de vista da mobilidade elétrica, é fácil de compreender este desenvolvimento: suprimindo os ruídos do motor, a perceção dos ruídos pelo condutor no interior do veículo é mais sensível, pelo que, ruídos de travagem que antes não se ouviam, agora tornam-se incomodativos. De salientar também a crescente procura em termos de redução das emissões: neste contexto, a formação de pó de travagem é relevante, sendo esse um dos focos da investigação e do desenvolvimento, nos próximos anos. Satisfazer estas exigências melhorando ou, pelo menos, não piorando o desempenho das pastilhas de travões e dos discos será um verdadeiro desafio para o ramo, nos anos que aí vêm.

Muitos clientes falam da “chiadeira dos travões” – Os ruídos de travagem por si só indiciam que algo está mal? Que fatores e componentes podem ser influenciados no desenvolvimento de produtos, a fim de minimizar os ruídos de travagem?

Não. Um travão que chia não aponta logo para algum defeito nas pastilhas ou nos discos de travões. Em primeiro lugar, é preciso salientar que realmente também existem sistemas de travagem com contactos de desgaste mecânicos. Em vez de surgir uma mensagem no cockpit sobre o desgaste, ouve-se uma chiadeira durante a travagem. Por regra, aplica-se a seguinte máxima: Quanto mais desportiva for a afinação das pastilhas de travões, mais provável será a chiadeira. Devido ao maior esforço aplicado, o condutor “desportivo” pode causar oscilações acústicas mais acentuadas entre a pastilha e o disco do travão, que o condutor poderá percecionar como incomodativas ou sob a forma de chiadeira. Acresce aqui o facto de componentes “vizinhos”, tais como os casquilhos do braço de suspensão, poderem estar desgastados transferindo para o último componente do chassis completo – o travão – uma oscilação gerada no chassis. Não obstante, um travão que chia também pode apontar, evidentemente, para a existência de uma falha no sistema de travões, ou então, para a montagem de componentes de travão incorretos. Em caso de decurso incomum e, sobretudo se este se verificar como permanente, deverá ser verificado por um técnico qualificado!

Posto em termos gerais: uma pastilha de travão é mais do que uma mera pastilha de travão. Que fatores e tipos de condutor podem ter influência no contexto das pastilhas de travões?

No que respeita às pastilhas de travões, distinguimos entre o condutor “clássico” e o “desportivo”: o condutor clássico dá muito valor ao conforto, enquanto o condutor desportivo dá grande valor ao desempenho. Para podermos oferecer um produto apropriado a ambos os tipos de condutor, desenvolvemos as linhas de produtos MEYLE-ORIGINAL e MEYLE-PD: enquanto as pastilhas de travões MEYLE-ORIGINAL visam atingir um cenário de ruídos reduzidos para o condutor que privilegia o conforto, as pastilhas de travões MEYLE-PD priorizam o desempenho para garantir uma condução desportiva e uma capacidade de resposta excelente.Com as novas pastilhas de travões MEYLE-PD “next generation”, conseguimos combinar numa só peça o melhor destes dois mundos. Resultado: pastilhas de travões orientadas para o desempenho e, ao mesmo tempo, pouco ruidosas bem como libertando muito menos emissões do que a primeira geração de pastilhas de travões MEYLE-PD. Não só o meio ambiente agradece, como também as jantes se mantêm impecáveis durante mais tempo.

O que têm de especial as novas pastilhas de travões Meyle-PD?

Adaptámos o composto do revestimento de fricção das pastilhas de travões MEYLE-PD e aperfeiçoámo-lo tecnicamente. Além disso, foi também adaptado o design das pastilhas de travões: os chanfros (Chamfer) e as ranhuras (os chamados “Slots”) do revestimento de fricção são perfeitamente adequados para os diferentes veículos. Além disso, dependendo da aplicação, as novas pastilhas de travões MEYLE-PD possuem três a cinco camadas individuais, os chamados “Shims”, que dissociam as vibrações da melhor forma possível, minimizando assim ainda mais o ruído. Para o desempenho dos travões, também é muito relevante o fator do tempo de acamamento dos travões: para assegurar a potência de travagem ideal, a pastilha de travão e o disco de travão devem estar perfeitamente adaptados um ao outro. Para encurtar o tempo de acamamento dos travões, dependendo do composto do revestimento de fricção, são utilizados dois procedimentos na produção: o chamado “scorching” (tratamento final das pastilhas de travões com calor) ou a aplicação de uma camada especial na superfície das pastilhas de travões, que contribui para uma redução do tempo necessário para os travões acamarem.

Esta entrevista faz parte de um vídeo mais completo, que pode ser visualizado no canal da MEYLE no YouTube “MEYLE TV”.

PALAVRAS-CHAVE