Ver todas

Back

Stand Asla: “O diagnóstico errado da avaria da bateria ainda é um problema”

por Redação
28 Novembro, 2016

Na sequência do dossier de baterias publicado na edição de novembro da Revista PÓS-VENDA (leia a edição neste link), publicamos as respostas de todas as empresas. Para ler todas as respostas clique neste link.

Pelo Stand Asla as respostas são de Patrícia Moreira, técnica de marketing da empresa.

 

– Que análise faz do atual estado do mercado das baterias em Portugal?
A bateria é cada vez mais um produto técnico, que deve responder à constante evolução tecnológica no fabrico automóvel. Neste sentido, o mercado das baterias, apesar da sua maturidade, exige também um acompanhamento constante em termos de oferta de gama de produto, assim como de know how a acompanhar a venda do mesmo.

– Qual o peso que as baterias para veículos com start&stop já tem no nosso mercado e na vossa empresa?
Sendo difícil de avaliar o peso deste tipo de baterias no mercado, há a certeza de que se trata de um tipo de produto com clara tendência de crescimento. Para além disso, verifica-se ainda a tendência para eliminação da opção por utilizar ou não este sistema. Desta forma, um veículo cujo sistema start/stop não seja possível de suspender, terá associado um maior nível de desgaste do sistema de carga e, portanto, da própria bateria.

– Quais os desafios hoje para uma bateria devido à maior exigência de energia dos automóveis?
Uma vez que os automóveis são originalmente fabricados com mais equipamento eletrónico (levando a maior consumo energético), tal leva a que seja feita maior solicitação à bateria. Por este motivo, o fabrico das próprias baterias deve ir ao encontro destas novas necessidades de consumo, pelo que passa a verificar-se maior procura de baterias AGM (Absorbent Glass Mat) ou EFB (Enhanced Flooded Battery).

– As baterias para carros híbridos e elétricos vão trazer novidades importantes? Quais as diferenças nessas baterias? Que novidades vamos ver nas baterias nos próximos anos?
Neste momento, as baterias aplicadas neste tipo de veículos não estão disponíveis para comercialização no aftermarket. No entanto, consideramos que, se por um lado, pode ser um pouco dúbia a sua futura comercialização pelos factores preços e especificidades técnicas, estes poderão também ser elementos diferenciadores para os players que as disponibilizarem. Trata-se, portanto, de uma eventual oportunidade á qual o mercado deverá estar atento.

– Quais os desafios e problemas que o inverno traz para as baterias?
As maiores diferenças térmicas (concretamente as temperaturas mais baixas) condicionam a reacção química ao nível do electrólito da bateria, a qual deverá conduzir à recuperação da carga habitual da bateria (12,7 V). Por este motivo, as temperaturas inferiores têm como consequência uma maior dificuldade de arranque.

– Quais os principais erros cometidos pelas oficinas no que diz respeito às baterias e como poderiam ter mais rentabilidade com elas?
Efetivamente, como mencionado, as baterias são cada vez mais um produto técnico que exigem conhecimentos específicos quanto à sua aplicabilidade. Caso não seja dada a devida atenção a este fator, um dos principais erros detetados prende-se com o facto de serem aplicadas baterias não indicadas para as viaturas em reparação. Outra situação que nos parece importante referir, relaciona-se com o diagnóstico errado da avaria. Concretamente os problemas no circuito de carga podem advir de avaria na bateria, no alternador, no motor de arranque ou consumo de corrente no circuito eléctrico. Sendo a bateria o elemento de mais fácil substituição, é, muitas vezes, o elemento que se considera como danificado (nem sempre sendo correta esta ilação). Por último, e mais especificamente na gama de baterias para pesados, é importante considerar que há baterias com necessidade de manutenção, o que nem sempre é tido em conta, originando avarias nas mesmas.

– Quais as marcas de baterias que a vossa empresa comercializa?
Banner, Magneti Marelli, Maff e a nossa marca própria Automotive Parts.

 

Notícias relacionadas:

 

Mais informações em www.stand-asla.pt

 

PALAVRAS-CHAVE