Ver todas

Back

Usados a Gasolina continuam a ser a motorização de venda mais rápida

22 Março, 2023
967 Visualizações

De acordo com os dados mais recentes do Observatório Indicata, os veículos usados a Gasolina continuam a ser a motorização de venda mais rápida a nível Europeu.

Os automóveis a gasolina têm apenas 57 dias de Market Days’ Supply contra 59 dias para o gasóleo. “Apesar da média de preços dos BEVs usados ter caído 9,6% em cinco meses, o MDS permanece elevado, com 117 dias no início de Março de 2023, tendo a quota de mercado de stock BEVs duplicado nos últimos seis meses”, afirma o Director Global do INDICATA, Andy Shields.

Em Fevereiro a quota de mercado da venda de automóveis usados a Gasolina atinge 44,28% com os usados a Gasóleo a tomar 42,5%. A quota de mercado das vendas de BEVs usados caiu 25,4% em 12 meses. Em Fevereiro de 2023 a quota de mercado de vendas de Híbridos usados aumenta 13,8% num ano. Os automóveis usados a Gasolina e a Gasóleo ainda representam 86,78% do mercado de automóveis usados online B2C, com os países Mediterrânicos e a Suécia a favorecer os usados a Gasóleo.

Os automóveis usados, com menos de 4 anos de idade, mais vendidos por volume em Fevereiro viram o VW Golf permanecer no topo, com o Renault Clio em segundo e o VW Tiguan em terceiro, com o MDS a melhorar em média 7,8% para os três. Os automóveis usados, com menos de 4 anos de idade, de venda mais rápida em Fevereiro pelo Market Days’ Supply viram o Opel Astra manter o lugar cimeiro com um MDS melhorado em termos mensais de 28,3 dias. A Opel também ficou novamente em segundo e terceiro lugares com o Grandland X e o Crossland X, respectivamente.

Em Portugal, as vendas de BEVs usados em Fevereiro foram apenas 3,69% do total de vendas de automóveis usados, o que foi o terceiro pior desempenho em um ano. Como todos os outros grupos motopropulsores viram a sua quota de mercado permanecer relativamente estável, parece que os compradores já não se sentem inclinados a investir num BEVs usado em números cada vez maiores, como aconteceu antes da crise energética.

Consulte aqui o relatório do Observatório Indicata.

PALAVRAS-CHAVE