Ver todas

Back

Observatório Indicata: vendas de veículos usados disparam no online

22 Abril, 2021
468 Visualizações

As vendas online de veículos usados estão, segundo o Observatório Indicata, a ajudar o mercado de usados a recuperar da crise originada pela pandemia.

A nível europeu, em Março de 2021 o volume de vendas de veículos usados dispara 24,4% em relação a Fevereiro de 2021. Em Portugal, também de acordo com o Observatório Indicata, o mês de Março assistiu a uma subida de 33,4% quando comparado com o mês anterior.

Em Março de 2021 o volume de vendas de veículos usados dispara 24,4% em relação a Fevereiro de 2021. Aumentaram 49,1% em termos homólogos e 5,4% no acumulado deste ano. Áustria e Itália encontravam-se entre os primeiros atingidos pela pandemia, mas agora assistem à mais forte recuperação nas vendas.

Todas as motorizações assistem a um crescimento nas vendas mensais de usados de dois dígitos, com os híbridos a crescer 40%, superando todas as outras motorizações. A rotação de stock dos BEV’s (4,1x) faz destes a motorização com vendas mais lentas, enquanto o Diesel (7,4x) continua a ser a que vende mais rápido.

O VW T-ROC recebe em Março as honras como o carro usado com menos de 2 anos mais vendido em toda a região.

O stock total de usados que vai para Abril de 2021 é 1,7% mais baixo (ano-após-ano) para os mercados de condução à esquerda. Tal como os números da Covid-19, os níveis de stocks variam muito por país, uma vez que alguns mercados apresentam excesso de stock, enquanto outros estão fortemente limitados. Tal facto está a criar oportunidades para o comércio transfronteiriço.

“Com uma amostra consistente de veículos com 3 anos, é expectável que o ciclo de vida do produto apresente um movimento de descida constante nos preços médios mensais, mas com o excesso de stock em alguns mercados e a escassez em outros os preços apresentam-se bastante voláteis”, esclarece o Director Global do Indicata, Andy Shields. “As vendas online estão a revelar-se um importante canal para a venda de veículos usados B2C durante a crise Covid-19 e estão a tornar-se o novo normal”, conclui.

PALAVRAS-CHAVE